18 de setembro de 2017

O Puxa-Saco



Puxa saco é um adjetivo ou substantivo usado com sentido pejorativo que significa adulador, bajulador, baba ovo.

É uma das atitudes humanas que caracteriza a insegurança a má fé e a  falta de caráter do cidadão.

No mundo empresarial existem várias pessoas assim. O Puxa Saco carreirista é um camaleão, é um ser nocivo e maléfico.


Durante a minha via profissional conheci vários puxa sacos, alguns inofensivos, pessoas infelizes reféns de suas próprias inseguranças e incompetências.

1 de agosto de 2017

Prá Viver Melhor.



Não se preocupe, se ocupe. Ocupe seu tempo, ocupe seu espaço, ocupe sua mente.
Não se desespere, espere. Espere a poeira baixar, espere o tempo passar, espere a raiva desmanchar.
Não se indisponha, disponha. Disponha boas palavras, disponha boas vibrações, disponha sempre.
Não se canse, descanse. Descanse sua mente, descanse suas pernas, descanse de tudo.
Não menospreze, preze. Preze por qualidade, preze por valores, preze por virtudes.
Não se incomode, acomode. Acomode seu corpo, acomode seu espírito, acomode sua vida.
Não desconfie, confie. Confie no seu sexto sentido, confie em você, confie em Deus.
Não se torture, ature. Ature com paciência, ature com resignação, ature com tolerância.
Não pressione, impressione. Impressione pela humildade, impressione pela simplicidade, impressione pela elegância.
Não crie discórdia, crie concórdia. Concórdia entre nações, concórdia entre pessoas, concórdia pessoal.
Não maltrate, trate bem. Trate bem as pessoas, trate bem os animais, trate bem o planeta.
Não se sobrecarregue, recarregue. Recarregue suas forças, recarregue sua coragem, recarregue sua esperança.
Não atrapalhe, trabalhe. Trabalhe sua humanidade, trabalhe suas frustrações, trabalhe suas virtudes.
Não conspire, inspire. Inspire pessoas, inspire talentos, inspire saúde.

Não se apavore, ore. Ore a Deus!
Somente assim viveremos dias melhores!





16 de julho de 2017

Faça o BEM.

O BEM sempre faz bem a quem o pratica!





1 de junho de 2017

Aleluia...





Uma Linda Mensagem
Obrigado DEUS por me permitir a Vida!
(Nesta encarnação e em tantas Outras).

Izzo Rocha


18 de maio de 2017

Dicas/Erros de Português


            

Você comete algum destes erros de português? Veja a forma correta e a explicação gramatical por trás de 50 deslizes comuns no mundo do trabalho.

Certas competências são obrigatórias para profissionais de qualquer área. O domínio do português é uma delas.

Ainda assim, infrações à norma culta da língua são uma constante no mundo corporativo – e em qualquer nível hierárquico.

A alta frequência de erros reflete problemas na educação de base do brasileiro, segundo Rosângela Cremaschi, professora de comunicação escrita na Faap e consultora na RC7.

“No nosso país, geralmente não é preciso estudar muito para passar de ano”, explica. “Por isso, a maioria não se aprofunda no próprio idioma e ingressa no mercado de trabalho com muitas dúvidas sobre o assunto”.

Além de deficiências na formação básica, a falta de familiaridade com a escrita também contribui para o problema.

Segundo a professora, quem lê pouco – e escreve de forma mecânica – está mais suscetível a “atropelar” alguns preceitos básicos da língua.

Veja a seguir os 50 erros de português mais comuns no mundo do trabalho de acordo com Rosângela. 

As informações foram retiradas da obra “Livro de anotações com 101 dicas de português” (Editora Hunter Books, 2014), de autoria da professora:

1- Anexo / Anexa

Errado: Seguem anexo os documentos solicitados.
Certo: Seguem anexos os documentos solicitados.

Por quê? Anexo é adjetivo e deve concordar em gênero e número com o substantivo a que se refere. 

Obs: Muitos gramáticos condenam a locução “em anexo”; portanto, dê preferência à forma sem a preposição. 

2- “Em vez de” / “ao invés de”

Errado: Ao invés de elaborarmos um relatório, discutimos o assunto em reunião.
Certo: Em vez de elaborarmos um relatório, discutimos o assunto em reunião.

Por quê? Em vez de é usado como substituição. Ao invés de é usado como oposição. Ex: Subimos, ao invés de descer.

3- “Esquecer” / “Esquecer-se de”

Errado: Eu esqueci da reunião.
Certo: Há duas formas: Eu me esqueci da reunião. ou Eu esqueci a reunião.

Por quê? O verbo esquecer só é usado com a preposição de (de – da – do) quando vier acompanhado de um pronome oblíquo (me, te, se, nos, vos).

4-“Faz” / “Fazem”

Errado: Fazem dois meses que trabalho nesta empresa.
Certo: Faz dois meses que trabalho nesta empresa.

Por quê? No sentido de tempo decorrido, o verbo “fazer” é impessoal, ou seja, só é usado no singular. Em outros sentidos, concorda com o sujeito. Ex: Eles fizeram um bom trabalho.

5- “Ao encontro de” / “De encontro a”

Errado: Os diretores estão satisfeitos, porque a atitude do gestor veio de encontro ao que desejavam.
Certo: Os diretores estão satisfeitos, porque a atitude do gestor veio ao encontro do que desejavam.

Por quê? “Ao encontro de” dá ideia de harmonia e “De encontro a” dá ideia de oposição. No exemplo acima, os diretores só podem ficar satisfeitos se a atitude vier ao encontro do que desejam.

6- A par / ao par
Errado: Ele já está ao par do ocorrido.
Certo: Ele já está a par do ocorrido.
Por quê? No sentido de estar ciente, o correto é “a par”. Use “ao par” somente para equivalência cambial. Ex: “Há muito tempo, o dólar e o real estiveram quase ao par.”

7- “Quite” / “quites”
Errado: O contribuinte está quites com a Receita Federal.
Certo: O contribuinte está quite com a Receita Federal.
Por quê? “Quite” deve concordar com o substantivo a que se refere. 

8- “Media” / “Medeia”
Errado: Ele sempre media os debates.
Certo: Ele sempre medeia os debates.

Por quê? Há quatro verbos irregulares com final –iar: mediar, ansiar, incendiar e odiar. Todos se conjugam como “odiar”: medeio, anseio, incendeio e odeio.

9- “Através” / “por meio”
Errado: Os senadores sugerem que, através de lei complementar, os convênios sejam firmados com os estados.
Certo: Os senadores sugerem que, por meio de lei complementar, os convênios sejam firmados com os estados.
Por quê? Por meio significa “por intermédio”. Através de, por outro lado, expressa a ideia de atravessar. Ex: Olhava através da janela.

10- “Ao meu ver” / “A meu ver”
Errado: Ao meu ver, o evento foi um sucesso.
Certo: A meu ver, o evento foi um sucesso.
Por quê? “Ao meu ver” não existe.

11- “A princípio” / “Em princípio” 
Errado: Achamos, em princípio, que ele estava falando a verdade. 
Certo: Achamos, a princípio, que ele estava falando a verdade. 
Por quê? A princípio equivale a “no início”. Em princípio significa “em tese”. Ex: Em princípio, todo homem é igual perante a lei.

12- “Senão” / “Se não”
Errado: Nada fazia se não reclamar.
Certo: Nada fazia senão reclamar.
Por quê? Senão significa “a não ser”, “caso contrário”. Se não é usado nas orações subordinadas condicionais. Ex: Se não chover, poderemos sair.

13- “Onde” / “Aonde”
Errado: Aonde coloquei minhas chaves?
Certo: Onde coloquei minhas chaves?
Por quê? Onde se refere a um lugar em que alguém ou alguma coisa está. Indica permanência. Aonde se refere ao lugar para onde alguém ou alguma coisa vai. Indica movimento. Ex: Ainda não sabemos aonde iremos.

14- “Visar” / “Visar a”
Errado: Ele visava o cargo de gerente.
Certo: Ele visava ao cargo de gerente.
Por quê? O verbo visar, no sentido de almejar, pede a preposição a.
Obs: Quando anteceder um verbo, dispensa-se a preposição “a”. Ex: Elas visavam viajar para o exterior.

15- “A” / “há”
Errado: Atuo no setor de controladoria a 15 anos.
Certo: Atuo no setor de controladoria há 15 anos.
Por quê? Para indicar tempo passado, usa-se o verbo haver. O “a”, como expressão de tempo, é usado para indicar futuro ou distância. Exs: Falarei com o diretor daqui a cinco dias. Ele mora a duas horas do escritório.

16- “Aceita-se” / “Aceitam-se”
Errado: Aceita-se encomendas para festas.
Certo: Aceitam-se encomendas para festas.
Por quê? A presença da partícula apassivadora “se” exige que o verbo transitivo direto concorde com o sujeito.

17- “Precisa-se” / “Precisam-se”
Errado: Precisam-se de estagiários.
Certo: Precisa-se de estagiários.
Por quê? Nesse caso, a partícula “se” tem a função de tornar o sujeito indeterminado. Quando isso ocorre, o verbo permanece no singular. 

18- “Há dois anos” / “Há dois anos atrás”
Errado: Há dois anos atrás, iniciei meu mestrado.
Certo: Há duas formas corretas: “Há dois anos, iniciei meu mestrado” ou “Dois anos atrás, iniciei meu mestrado.”
Por quê? É redundante dizer “Há dois anos atrás”.

19- “Implicar” / “Implicar com” / “Implicar em”
Errado: O acidente implicou em várias vítimas.
Certo: O acidente implicou várias vítimas.
Por quê? No sentido de acarretar, o verbo implicar não admite preposição. No sentido de ter implicância, a preposição exigida é com. Quando se refere a comprometimento, deve-se usar a preposição em. Exs: Ele sempre implicava com os filhos. Ela implicou-se nos estudos e passou no concurso.

20- “Retificar” / “Ratificar”
Errado: Estávamos corretos. Os fatos retificaram nossas previsões.
Certo: Estávamos corretos. Os fatos ratificaram nossas previsões.
Por quê? Ratificar significa confirmar, comprovar. Retificar refere-se ao ato de corrigir, emendar. Ex: Vou retificar os dados da empresa.

21- “Somos” / “Somos em”
Errado: Somos em cinco auditores na empresa.
Certo: Somos cinco auditores na empresa.
Por quê? Não se deve empregar a preposição “em” nessa expressão.

22- “Entre eu e você” / “Entre mim e você”
Errado: Não há nada entre eu e você, só amizade.
Certo: Não há nada entre mim e você, só amizade.
Por quê? Eu é pronome pessoal do caso reto e só pode ser usado na função de sujeito, ou seja, antes de um verbo no infinitivo, como no caso: “Não há nada entre eu pagar e você usufruir também.”

23- “A fim” / “Afim”
Errado: Nós viemos afim de discutir o projeto. 
Certo: Nós viemos a fim de discutir o projeto. 
Por quê? A locução a fim de indica ideia de finalidade. Afim é um adjetivo e significa semelhança. Ex: Eles têm ideias afins.

24- “Despercebido” / “Desapercebido”
Errado: As mudanças passaram desapercebidas.
Certo: As mudanças passaram despercebidas.
Por quê? Despercebido significa sem atenção. Desapercebido significa desprovido, desprevenido. Ex: Ele estava totalmente desapercebido de dinheiro.

25- “Tem” / “Têm”
Errado: Eles tem feito o que podem nesta empresa.
Certo: Eles têm feito o que podem nesta empresa.
Por quê? Tem refere-se à 3ª pessoa do singular do verbo “ter” no Presente do Indicativo. Têm refere-se ao mesmo tempo verbal, porém na 3ª pessoa do plural. 

26- “Chegar em” / “Chegar a”
Errado: Os atletas chegaram em Curitiba na noite passada. 
Certo: Os atletas chegaram a Curitiba na noite passada. 
Por quê? Verbos de movimento exigem a preposição “a”.

27- “Prefiro… do que” / “Prefiro… a”
Errado: Prefiro carne branca do que carne vermelha.
Certo: Prefiro carne branca a carne vermelha.
Por quê? A regência do verbo preferir é a seguinte: “Preferir algo a alguma outra coisa.” 

28- “De mais” / “demais”
Errado: Você trabalha de mais!
Certo: Você trabalha demais!
Por quê? Demais significa excessivamente; também pode significar “os outros”. De mais opõe-se a “de menos”. Ex: Alguns possuem regalias de mais; outros de menos.

29- “Fim de semana” / “final de semana”
Errado: Bom final de semana!
Certo: Bom fim de semana!
Por quê? Fim é o contrário de início. Final é o contrário de inicial. Portanto: fim de semana; fim de jogo; parte final.

30- “Existe” / “Existem”
Errado: Existe muitos problemas nesta empresa.
Certo: Existem muitos problemas nesta empresa. 
Por quê? O verbo existir admite plural, diferentemente do verbo haver, que é impessoal.

31- “Assistir o” / “Assistir ao”
Errado: Ele assistiu o filme “A teoria do nada”.
Certo: Ele assistiu ao filme “A teoria do nada”.
Por quê? O verbo assistir, no sentido de ver, exige a preposição “a”. 
32- “Responder o” / “Responde ao”
Errado: Ele não respondeu o meu e-mail. 
Certo: Ele não respondeu ao meu e-mail. 
Por quê? A regência do verbo responder, no sentido de dar a resposta a alguém, é sempre indireta, ou seja, exige a preposição “a”. 

33- “Tão pouco” / “Tampouco”
Errado: Não compareceu ao trabalho, tão pouco justificou sua ausência. 
Certo: Não compareceu ao trabalho, tampouco justificou sua ausência. 
Por quê? Tampouco corresponde a “também não”, “nem sequer”. Tão pouco corresponde a “muito pouco”. Ex: Trabalhamos muito e ganhamos tão pouco”. 

34- “A nível de” / “Em nível de”
Errado: A pesquisa será realizada a nível de direção.
Certo: A pesquisa será realizada em nível de direção.
Por quê? A expressão “Em nível de” deve ser usada quando se refere a “âmbito”. O uso de “a nível de” significa “à mesma altura”. Ex: Estava ao nível do mar. 
35- “Chego” / “Chegado”
Errado: O candidato havia chego atrasado para a entrevista.
Certo: O candidato havia chegado atrasado para a entrevista.
Por quê? Embora alguns verbos tenham dupla forma de particípio (Exs: imprimido/impresso, frito/fritado, acendido/aceso), o único particípio do verbo chegar é chegado. Chego é 1ª pessoa do Presente do Indicativo. Ex: Eu sempre chego cedo.

36- “Meio” / “Meia”
Errado: Ela estava meia nervosa na reunião.
Certo: Ela estava meio nervosa na reunião.
Por quê? No sentido de “um pouco”, a palavra “meio” é invariável. Como numeral, concorda com o substantivo. Ex: Ele comeu meia maçã.

37- “Viagem” / “Viajem”
Errado: Espero que eles viagem amanhã. 
Certo: Espero que eles viajem amanhã. 
Por quê? Viajem é a flexão do verbo “viajar” no Presente do Subjuntivo e no Imperativo. Viagem é substantivo. Ex: Fiz uma linda viagem. 

38- “Mal” / “Mau”
Errado: O jogador estava mau posicionado.
Certo: O jogador estava mal posicionado.
Por quê? Mal opõe-se a bem. Mau opõe-se a bom. Assim: mal-humorado, mal-intencionado, mal-estar, homem mau.

39- “Na medida em que” / “À medida que”
Errado: É melhor comprar à vista à medida em os juros estão altos.
Certo: É melhor comprar à vista na medida em que os juros estão altos.
Por quê? Na medida em que equivale a “porque”. À medida que estabelece relação de proporção. Ex: O nível dos jogos melhora à medida que o time fica entrosado.

40- “Para mim” / “Para eu” fazer
Errado: Era para mim fazer a apresentação, mas tive de me ausentar.
Certo: Era para eu fazer a apresentação, mas tive de me ausentar.
Por quê? “Para eu” deve ser usado quando se referir ao sujeito da frase e for seguido de um verbo no infinitivo. 

41- “Mas” / “Mais” 
Errado: Gostaria de ter viajado, mais tive um imprevisto.
Certo: Gostaria de ter viajado, mas tive um imprevisto.
Por quê? Mas é conjunção adversativa e significa “porém”. Mais é advérbio de intensidade. Ex: Adicione mais açúcar se quiser.

42- “Perca” / “perda”
Errado: Há muita perca de tempo com banalidades.
Certo: Há muita perda de tempo com banalidades.
Por quê? Perca é verbo e perda é substantivo. Exs: Não perca as esperanças! Essa perda foi irreparável.
43- “Deu” / “Deram” tantas horas
Errado: Deu dez da noite e ele ainda não chegou.
Certo: Deram dez da noite e ele ainda não chegou.
Por quê? Os verbos dar, bater e soar concordam com as horas. Porém, se houver sujeito, deve-se fazer a concordância: “O sino bateu dez horas.”

44- “Traz” / “Trás”
Errado: Ele olhou para traz e viu o vulto.
Certo: Ele olhou para trás e viu o vulto.
Por quê? Trás significa parte posterior. Traz é a conjugação do verbo “trazer” na 3ª pessoa do singular do Presente do Indicativo. Ex: Ela sempre traz os relatórios para a gerência.

45- “Namorar alguém” / “Namorar com alguém”
Errado: Maria namora com Paulo.
Certo: Maria namora Paulo.
Por quê? A regência do verbo namorar não admite preposição. 
46- “Obrigado” / “Obrigada”
Errado: Muito obrigado! – disse a funcionária.
Certo: Muito obrigada! – disse a funcionária.
Por quê? Homens devem dizer “obrigado”. Mulheres dizem “obrigada”. A flexão também ocorre no plural: “Muito obrigadas! – disseram as garotas ao professor.”

47- “Menos” ou “Menas”
Errado: Os atendentes fizeram menas tarefas hoje.
Certo: Os atendentes fizeram menos tarefas hoje.
Por quê? “Menas” não existe. Mesmo referindo-se a palavras femininas, use sempre menos. Ex: Havia menos pessoas naquele departamento.

48- “Descriminar” / “Discriminar”
Errado: Os produtos estão descriminados na nota fiscal.
Certo: Os produtos estão discriminados na nota fiscal.
Por quê? Discriminar significa separar, diferenciar. Descriminar significa absolver, inocentar. Ex: O juiz descriminou o jovem acusado.
49- “Acerca de” / “a cerca de”
Errado: Estavam discutindo a cerca de política. 
Certo: Estavam discutindo acerca de política.
Por quê? Acerca de significa “a respeito de”. A cerca de indica aproximação. Ex: Eu trabalho a cerca de 5 km daqui.

50- “Meio-dia e meio” / “Meio-dia e meia”
Errado: Nesta empresa, o horário de almoço inicia ao meio-dia e meio.
Certo: Nesta empresa, o horário de almoço inicia ao meio-dia e meia.
Por quê? O correto é meio-dia e meia, pois o numeral fracionário concorda em gênero com a palavra hora. 






30 de abril de 2017

Realidades da Vida


Na vida existem perguntas difíceis e complexas de responder, porém o “Tempo” traz as respostas e revela todos os segredos do comportamento humano.

Não espere o amanhã para pedir perdão, pra dizer eu te amo, estou com saudades. De repente poderá ser tarde demais e nunca mais terá esta oportunidade. 

Ame as pessoas enquanto existe a vida e não depois que elas partirem.


Izzo Rocha

5 de abril de 2017

Aniversário

´

Estou comemorando hoje cinco anos da realização com sucesso da minha cirurgia cardíaca. Obrigado Deus pelo privilégio da Vida!


Izzo Rocha

22 de março de 2017

Outono

 

A natureza nos ensina o tempo todo. Com a chegada de cada nova estação podemos "apreender" muitos ensinamentos.

O outono  traz consigo uma beleza singela, não aquela beleza extravagamte da primavera, nem tampouco a energia vibrante do verão, ou a imponência do frio cálido do inverno. Entretanto sua beleza e seus ensinamentos são tão grandiosos e profundos quanto o ensinamento de qualquer outra estação.

O outono traz o real sentido do Desapego! Se analisarmos a beleza da natureza perceberemos que as folhas antes verdinhas e cheias de vida já não brilham mais e deslizam "mortas" retornado à Terra. 

As folhas sabem que sua missão é curta e não se apavoram ao perder o brilho, a cor, a energia vital. O tão esperado ápice foi atingido com o brilho do verão e, como era o esperado, as árvores mostraram todo seu esplendor por meio das folhinhas verdes reunidas e devidamente agrupadas! Agora, as folhas caem, retornam para o "nada" de onde vieram e as árvores permanecem enraizadas, ciclo após ciclo, estação após estação.

Assim somos nós e essa é a lição das folhas, a lição de outono... Deixar ir... Saber que SOMOS LUZ, uma luz que nunca se apaga, uma luz que está enraizada assim como antigas árvores. As pessoas, as situações, as dores, as alegrias, os amores, são as folhas que devemos deixar ir... 

Saber quando algo ou alguém cumpriu seu destino, sua missão em nossa vida e ver essa folha cair da árvore nem sempre é fácil. Entretanto, mesmo que façamos uma força extra para manter a folha, ela, em algum momento, partirá! Assim é tudo! Assim somos nós!

Devemos compreender a partida da infância, da juventude, dos pais, dos filhos, da beleza, das memórias...

Tudo um dia desaparece e o que resta é nossa centelha divina que reencontrará sua morada no Criador!

Tenhamos todos um lindo, desapegado e amoroso novo ciclo de outono dentro e fora de nós!!! 

Clarisse Steffani




15 de março de 2017

Momento de Reflexão.



Hoje resolvi divulgar algumas frases de minha autoria que retratam o cotidiano da “Vida”, são:

(Frases e Pensamentos de Izzo Rocha)

Muitas vezes somos especiais para alguém não pelo nosso caráter ou pelo que somos como ser humano, mas apenas pelo interesse que esta pessoa tem em receber vantagens que de algum modo possamos proporcionar.

Às vezes não percebemos que temos ao nosso lado pessoas verdadeiras e sinceras que nos amam de verdade e por descuido, ambição e vaidade acabamos nos deixando envolver por outras que apenas são miragem e falsos tesouros. Preste atenção em quem está ao seu lado principalmente nas horas difíceis.Valorize a família e os verdadeiros amigos.

Se você tem um bom caráter receberá: admiração, orgulho, respeito e reconhecimento dos verdadeiros e ódio, inveja, injustiça e ingratidão dos falsos.

Na vida cometemos muitos erros, se são conseqüências das dificuldades vividas, poderão até ser perdoados e esquecidos, se são por má fé ou maldade, coitado de nós.

Quando alguém cometer alguma ingratidão com você, reze por este alguém, o espírito dele é fraco e está precisando de luz.

Mais importante que a sua cultura, é o seu caráter.

Devemos ter muito cuidado e atenção com as nossas atitudes, principalmente se estamos de bem com a vida, o resultado da colheita do que plantarmos ocorrerá quando estivermos mal.

Falsidade não é inteligência ou astúcia, é desvio de caráter.

O covarde se esconde, se cala, o corajoso se apresenta, fala e enfrenta a vida, as conseqüências, assume os seus atos.

Se você é um injustiçado na vida, pratique o bem, Deus cuidará de lhe fazer justiça.

Feliz aquele que é desprezado por quem finge bondade mas na verdade esconde o mal.

"A Vida Anda", e se você costuma enganar e mentir, tenha certeza, um dia provará o próprio veneno.

Quando o amor é verdadeiro não existe tempo, local ou distância, ele é eterno.

Saudade é o desejo de repetir o que jamais será esquecido.


Izzo Rocha